FACESP - Federação das Associações Comerciais do Estado de São Paulo novas ideias
construindo caminhos
FACEP

Encontre sua AC

ACESSO PDO

2019 começou com pequena melhora na economia de José Bonifácio e região

Notícias 12 de fevereiro de 2019

Janeiro é conhecido por muitos brasileiros como o “mês das contas a pagar”, isso porque é neste mês que temos algumas obrigações como IPVA, matrículas e materiais escolares, e além disso, a fatura do cartão de crédito de dezembro infelizmente chega.

Apesar de tudo isso, dados demonstram que 2019 começou bem para o comércio e indústria de José Bonifácio e região. Segundo a ACEJB (associação comercial e industrial de José Bonifácio), através da Boa Vista SCPC, houve um aumento de 3,7% do consumo local em relação a janeiro do ano passado.

Mas as notícias boas não param por aí! As pessoas não só estão consumindo mais no comércio local, como aumentaram o índice de reabilitação de crédito. Nesse caso, o aumento foi de 7,5% em relação ao mesmo período do ano passado. Os dados de novas negativações de janeiro de 2019 também apresentaram aumento, passando de 339 para 362.

 

Inflação teve alta de 0,32% em janeiro

Segundo dados divulgados pelo IBGE, o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) de janeiro foi de 0,32%, sendo que no mesmo período do ano passado o índice ficou em 0,29%. Os alimentos, foram responsáveis por elevarem o índice que mede a inflação.

O grupo de alimentos e bebidas, que equivalem a cerca de um quarto das despesas das famílias, subiram 0,90%, o que corresponde a 0,22 ponto percentual da inflação de janeiro. As altas mais expressivas desse grupo, um dos nove que compõem o IPCA, foram feijão-carioca (19,76%), cebola (10,21%), frutas (5,45%) e carnes (0,78%). Já o tomate teve uma queda forte nos preços, de 19,46%, o que ajudou a conter a alta dos alimentos.

O analista do IPCA, Pedro Costa, explica que as variações dos produtos alimentícios são sazonais, e que cada item possui uma especificidade. “No caso das frutas, é um aumento de demanda comum nos meses mais quentes do ano. A redução nos preços do tomate está relacionada à rápida maturação do produto, o que aumentou sua oferta no mercado”.

Amanda Perez <amandaperez.jn@gmail.com>

Parceiros CACB SCPC SEBRAE Certisign